Glerm Soares
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/1275601183702553

Professor Assistente A no Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias (CECULT), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).
Guilherme Soares, também conhecido por Glerm Soares, é ciberativista, artista interdisciplinar e programador. Desenvolve trabalho de pesquisa e experimentação conceitual de arte e tecnologia (computação e eletrônica) desde 2003 com o coletivo Orquestra Organismo, e também de forma independente. Pesquisa e documenta construção de instrumentos, circuitos e controladores para performances artísticas, sendo estes produzidos com técnicas artesanais de software e hardware livres.

Desenvolveu tutoriais de arte e tecnologia na web no Artesanato de Volts desde 2005 e hoje atualiza este conteudo no projeto de extensao Lab0gam. Disponibiliza toda sua produção de código na rede social Github e experimentos sonoros derivados .

Ministra oficinas com estes conteúdos.

Entre 2013 e 2015 cursou o Mestrado em Artes, Cultura e Linguagens da UFJF, defendendo projeto de dissertação na área de Computação Musical com o título: Luteria Composicional de Algorimos Pós-Tonais.

Em 2013 foi contemplado com o projeto Interações Estéticas - Residências Artísticas em Ponto de Cultura - pela Funarte com o projeto Cinepedala. Realizou as residências do projeto junto ao pontão de Cultura da Escola de Comunicação da UFRJ (ECO), em intercâmbio com o laboratório Jardins de Volts.

Em 2011 organizou com sua parceira Lucida Sans as Oficinas de Computação Poética no Laboratório Jardins de Volts - um hacklab dentro da Bicicletaria Cultural no centro de Curitiba fomentado pelo prêmio Esporos de Cultura Digital (MinC, 2010) – que funcionou até junho de 2013.

Conduziu também na ECO-UFRJ entre 2013 e 2014 o laboratório de luthieria digital Toscolab, durante residência artística do Prêmio de Interações Estéticas em Pontos de Cultura da Funarte.

Entre 2005 e 2009, atuou em cinco edições do evento ciberativista Submidialogia (em Campinas - SP, Recife - PE, Lençóis - BA, Arraial d'Ajuda - BA e Ilha dos Valadares - PR) no fomento de palestras, experimentações eletrônicas, discussões, performances para discussão de novas práticas e resistências em novas mídias.Com o coletivo Orquestra Organismo, organizou durante esse período em Curitiba labs imersivos e happenings onde a produção colaborativa com softwares livres foi catalisadora central. EmbapLab (2005), Desafiatlux (2005), ConSerto (2007), Interfaces (2008-2009).

Trabalhou entre 2005 e 2007 para o Instituto de Pesquisa em Tecnologia da Informação (IPTI) onde participou da equipe implementação de estúdios multimídia com software livre nos Pontos de Cultura e do laboratório Geada de experimentação (projeto Cultura Digital do Minc/PNUD).

Participou como performer, oficineiro e agitador cultural em diversos eventos de arte, música, performance e tecnologias livres: Hangar e Universidade de Extemadura (Barcelona, 2007), Lamime (São Paulo, 2007), Piksel (Bergen - Noruega, 2009), Ahackititude (Milão, 2009), PDCon (São Paulo, 2009), LIBRES (Recife, 2009), RedeLabs (São Paulo - 2010), CicloHack (São Paulo, 2011), nuvem.tk (Visconde de Mauá – RJ, 2011-2013), Arte.Mov (Curitiba, 2012), ISCL e C.TLCA (Salvador, 2009 e 2014), A Justa Razã Aqui Delira (Curitiba, 2005/2015), Malditos Somos Nós tentando ser Nós mesmos (Curitiba, 2001), entre outros.

Em 2017 trabalhou nos testes, documentação e na equipe de oficinas do projeto de software livre para performances audiovisuais ArrastVJ e utilizou o software em pesquisas e performances com novas linguagens derivadas do experimento.

Desde 2017 coordena o projeto de extensão Lab0gam ( Laboratório de Gambiologia e Código Aberto) no CECULT-UFRB, com atividades práticas para o uso aplicado desoftwares e hardwares livres aplicados em processos artisticos e estudos para construção de instrumentos musicais digitais.
Glerm Soares
Artesanato de Volts - Música Algorítmica - Código Aberto - Software Livre - Hardware Livre
um pouco antes de adormecer eu imaginava § olhando pro céu tentando traçar rotas entre os pontos luminosos do espaço sombrio. rastros de um algo num passo que se afasta alienando-se de qualquer promessa de harmonizar uma forma melhor pra tal história pedindo-lhe refrões. E da redundânca que finge trazer sentido veio o sono embalando contos fluídos de subjetividade duvidosa como se § ouvisse a luz dos tais pontos gravitacionais. Sabia por um fotón que ao acordar a gravidade lhe exigiria parágrafos e na luta contra lembrar o próprio nome se espatifaria contra regras sintáticas e vícios de estilo. E de repente, pontos nas frases, frases começando em maiúsculas, enquanto aquilo, um Isso dos quais o tom mais grave a gravidade aponta, § fingia ouvir apenas sons de serifas mudas, sem pretensão estética e ja desprovido de qualquer hipocrisia ética, simplesmente apontava para um céu cheio de pontos, desafiando-os a provar-lhe mais providos de sentido do que o silêncio que precede qualquer ousadia de vibrar um diapasão.
Tornar-se percepção compartilhada dos problemas atuais e quem sabe assim construir vocabulários e imagens para estes problemas - a poluição das cidades, o movimento dos satélites e a soberania bélica de sua utilização, a biotecnologia determinando nossos vícios e diagnósticos, as máquinas de colisão de partícula determinando limites da definição de dogmas na ciência exata, limites que como um "BigBang de laboratório" determinam as "técnicas" que por exemplo vão definir políticas de energia, mobilidade, saúde, percepção da subjetividade como fisiologia e jurisprudência que atua sobre nossos corpos..... Nosso meio são todos os meios! também estamos fazendo Ciência, também estamos influenciando a alta tecnologia... somos "úteis" para os utilitaristas, a diferença entre "baixa" e "alta" é puro Capital aplicando na "imagem do Capital", a base de conhecimento e reserva de mais-valia incomensurável é a mesma, mas os titulados na hierarquia da ciência guardam a prensa oficial dos escribas e os donos das máquinas "caras" trocam o carnaval dos fiéis pela chave do cofre do ouro dos alquimistas - cantam o lastro e cotação dos quilates das imagens que vão decorar as novas igrejas da fé na modernidade! :(){ :|:& };:
~~Mendigos, piratas e videntes ocupam seu valor de reserva, porque aqui o ¢ precisa do desemprego redesociável para fazer o preço do emprego; a hora do especialista define o fetiche pelo relógio atômico; sincroniza tua pressão arterial e tua diástole venal; com auxílio de aparelhos você romantiza essa válvula vermelha e sincopa esse pulmão esfumaçado; Pontuando, capitalizando inicio de frases. ~~~imagine agora o meteorologista mais honesto do mundo, sofrendo e bufando, quase feliz, pensando em tradutores: debruçado sobre os mapas imaginando migrações pela década eu ja falei que não me interessa o vosso silêncio;;;
- Vós sangrais por essa pena um vérnáculo vetrículo o ASCii está com os dias contados && os Capacitores avançam sobre as janelas CASE SENSITIVE CAPITALS øøø→ em caso de emergência quebre o vidro~
¬[ Me diga agora então quanto vale essa neurocirurgia?
TAGS> puredata, python, arduino, prosa-vertigem, microcontroladores, linux, C, bash, HTML, javascript, webservers, violão, guitarra, piano, samplers, síntese sonora, eletrônica, solda, chance music, música serial, silêncio, ruído, mantras, gifs animados, math-rock, metareciclagem, bricolagem, desvio, epifania, desenho, risco, rabisco, pincel atômico, sangue, vozzzzz... DIY